06 de fevereiro de 2014

Tempo de deslocamento impede paulistano de praticar esportes, mostra pesquisa

Por Paulo Motoryn

corrida

A prática de atividades físicas foi um dos aspectos explorados na pesquisa do índice Well-Being Brasil (WBB), desenvolvido em parceria pelo MyFunCity e pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que investiga o grau de bem-estar do habitante da cidade de São Paulo. Os dados coletados indicam que os exercícios físicos são praticados efetivamente por menos de 50% da população, o que coloca mais da metade dos paulistanos na condição de sedentários.

Dentre os respondentes que admitiram não praticar nenhuma atividade física em suas rotinas (51%), a grande maioria (32%) alegou não encontrar tempo para esporte ou exercícios. Segundo o estudo, há uma explícita associação entre a estatística e a questão do transporte e da mobilidade urbana em São Paulo, pois, ao mesmo tempo, a pesquisa indica que cerca de 31% dos respondentes gasta ao menos duas horas nos seus deslocamentos diários.

“Não apenas o tempo no trânsito, mas também o esgotamento psicológico por causa do trabalho me impede de criar forças, calçar um tênis e sair para correr ou fazer qualquer esporte. Para mim, não há surpresa em saber que, depois de trabalhar como um camelo, o paulistano prefere a cerveja à atividade física”, afirma João Martinez, corretor de imóveis e ex-zagueiro de um time de futebol de várzea da zona oeste: “Até a pelada de domingo eu larguei”.

Outros 11% responderam que as atividades não fazem parte de seus hábitos simplesmente por não gostarem, como é o caso de Alexandre Bastos, estudante de filosofia, de 29 anos: “Eu entendo o problema de ser sedentário, mas parece que o suor e o esforço físico não foram feitos pra mim. Ao longo da história sempre existiram os guerreiros e os gordinhos”, tenta justicar, em tom de brincadeira, ignorando os riscos da obesidade e do sedentarismo para a saúde.

Além dos que clamam por mais tempo para a prática das atividades e dos que admitem não ter gosto pelo esforço físico, ainda há os que possuem motivos de saúde. De acordo com a pesquisa, são 7% os paulistanos que têm doença crônica que impede a realização de atividade física. Ao todo, 20% dos respondentes disseram possuir problemas de saúde crônicos, sendo a hipertensão a enfermidade mais recorrente (22% dos casos).

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

A RUA GRITA

Volta Negra: um caminho da História de São Paulo

A caminhada acontecerá por pontos da cidade como a Praça da Liberdade, a estação Anhangabaú de Metrô e a Praça Antônio Prado. Até o século XIX, esses locais sediavam, respectivamente, a Forca, o Mercado de Escravos e a Igreja da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

A RUA GRITA

Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman

Os coletivos PIXOAÇÃO e ARDEPIXO pixaram o internacionalmente conhecido Beco Batman que abriga obras dos … Continuar lendo Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman