03 de maio de 2014

Temo que seja verdade…

por Lucas Cabral Pazetto

 

Temo que seja verdade o que dizem. O mundo se tornou o que se tornou, porque é o que é. 
Temo essa natureza justificatória, de que seja o homem, único animal de fome insaciável. 
Temo também essa ideia enviesada, que diz estar no individual todo o valor de nosso ser. 
Eu temo, temo, temo e mais temo…
Que nada mude e estejamos derrotados.
Que falte um estalar para a queda da pilastra.
Eu temo, temo, temo, temo…
Eu temo que o necessário para crer em algo, já tenha escapado às mãos de quem nada teme.
Porque são estes (os que nada temem)
Que pouco se importam.
Afinal, como não se importar quando se gosta?
E como não gostar quando se acredita?
Gostamos porque cremos
E cremos porque nos importamos!
É… Talvez eu estivesse sendo um pouco pessimista.
Talvez esse temor seja o que se espera de um ser humano saudável.
Que ainda se sacie.
Que ainda viva em bandos.
E que ainda possa mudar.

 

10155386_704817209576226_6936484005554737348_n

Por: Matheus Bagaiolo Raphaelli

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!