19 de agosto de 2014

por Lucas Cabral Pazetto

Hoje a dona felicidade foi roubada. Está pobre! Levaram tudo o que puderam, tadinha.
Renderam a coitada na porta de casa! Foi só sair pra mostrar o novo penteado que pronto! A tomaram de supetão. Mas não bastou o susto não, os filhos da mãe ainda a levaram pra dentro de casa e se apoderaram de tudo! Pegaram seus motivos la do jardim, as razões e desrazões que ela guardava no cofre, pegaram ainda todas as suas roupas e jóias, uma mais bonita que a outra, uma mais diferente que a outra. E foram embora no seu velho Ford Esperanza. Vê se pode, ela anda muito abalada, você sabe o quanto ela preza a aparência e gosta de viajar. Esse mundo anda muito perigoso mesmo. Parece que nem sinal dos assaltantes, mas o policial disse que está se tornando uma prática muito comum na região. Eles te abordam na porta sem chance de reação, com um revolver de cano chato, reto, sem graça! Que nem o mundo deles sabe? E te amarram as mãos, os pés,colocam uma venda nos olhos e ficam a gritar no seu ouvido e até a te bater enquanto terminam de limpar o ressinto. Deus me livre, o pior é que dificilmente as pessoas se recuperam totalmente dessa experiência. Fica sempre um medo, um aperto em sair de casa de novo. Passear por ai, toda bonitona e vistosa,como a dona felicidade tão bem fazia.

 

Por: Pedro Mirilli
Por: Pedro Mirilli

 

 

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses