10 de setembro de 2014

Incêndio na Favela do Piolho: o Buraco é mais embaixo

Por Alexandre Arbex, Deco Napchan e Paulo Motoryn

O incêndio nas favelas do Piolho e Buraco Quente, no domingo, 7 de setembro, na zona sul de São Paulo, ganhou atenção da imprensa e do poder público por apenas algumas horas.

No dia seguinte, os moradores da favela estavam desamparados e revoltados com o descaso da sociedade.

Fomos ao local do incêndio no dia 8 de setembro e conversamos com diversas famílias. Os moradores necessitam de qualquer tipo de doação. Para arrecadar mantimentos, roupas e utensílios em geral, diversos grupos se mobilizam, nas redes e nas ruas, e mostram como a organização popular é mais forte e sensível que o Estado.

A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo