09 de setembro de 2014

Protestar nas urnas

Frente pelo Voto Nulo realiza ato em Santo André para divulgar a mensagem do voto de protesto

Por Alan Felipe

No topo das pesquisas eleitorais se encontram os candidatos financiados pelos bancos, empreiteiras e latifundiários, representantes dos interesses das classes mais altas. Do lado de baixo do ranking, os partidos de esquerda, que preferem bajular pequenos cargos ao invés de montar uma coligação e ter força suficiente para bater de frente com a burguesia.

Para fugir dessas opções e buscarem a autonomia, coletivos e indivíduos se uniram para formar a Frente pelo Voto Nulo, que realizou na noite da última sexta-feira (05/09), em Santo André, um mini ato. Quem passava entre o terminal de ônibus e a estação de trem Celso Daniel via um grupo com batuque, megafone e santinhos explicando suas ideias.

Renata Passos, membro da FVN, diz que o voto nulo é “dar vazão a toda revolta que surgiu desde o ano passado e que não tem espaços para se expressar nas eleições. O voto nulo aparece como voto de protesto, voto pela organização e não pela política nas urnas”.

Nos protestos de junho do ano passado, os políticos subiram o preço da passagem e, através da auto-organização da juventude e das pessoas que foram pra rua, foi possível a conquista da redução da tarifa. O próprio Movimento Passe Livre se declara apartidário e não acredita na via institucional como mecanismo de mudança, preferindo as lutas a colocar um candidato para resolverem os seus problemas.

Renata ainda exalta que o encontro de vários coletivos pela mesma causa só pode ter saldo positivo. “Sempre rola luta e a gente já estar mais articulado é uma coisa que, com certeza, contribui para a organização”. Para esse maior entrosamento entre a esquerda combativa foram criados comitês no ABC, Guarulhos, Itaquera, Lapa e Butantã.

A Frente pelo Voto Nulo voltará às ruas em um novo ato contra a farsa eleitoral, junto a Frente Independente Popular, Território Livre, Unidade Vermelha e Contra Copa 2014 no Teatro Municipal de São Paulo, no dia 13 de setembro às 15h.

A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo