20 de março de 2015

Campanha audiovisual pretende adaptar e eternizar obra de Paulo Freire

A fim de perpetuar conceitos introduzidos por Paulo Freire, o professor André Azevedo da Fonseca, da Universidade Estadual de Londrina, criou uma campanha de financiamento coletivo (crowdfounding).

Via Portal Brasil / Foto: Reprodução

A  ideia é “apresentar os conceitos fundamentais do pensamento de Paulo Freire a partir de uma linguagem acessível a estudantes, professores e a todas as pessoas interessados em educação”, afirma Fonseca.

O livro “Pedagogia da Autonomia” é um dos mais conhecidos de Paulo Freire e trata de práticas pedagógicas que valorizem e respeitem a cultura e individualidade de cada aluno.

Objetivos

O professor pretende fazer 30 vídeos, que devem totalizar cerca de duas horas de conteúdo. Ele optou por um formato que pode favorecer a distribuição nas redes sociais.

“Decidi dividir o trabalho em 30 vídeos curtos para que o público não especializado tenha mais oportunidades de estabelecer esse primeiro contato com a obra de Paulo Freire”, explica.

A campanha de arrecadação está sendo realizada pelo site Catarse, e interessados podem colaborar, até o dia 23 de março, com quantias que variam de R$ 25 a R$ 500.

O projeto deve ter R$ 8 mil arrecadados até o dia final da campanha; e caso o valor não seja alcançado, todos que colaboraram receberão ressarcimento.

Para colaborar, é preciso acessar a página e seguir as instruções da campanha.

Caso o valor seja ultrapassado, segundo o professor, o dinheiro extra será usado para aperfeiçoar o material, com ações como a transcrição de legendas e a tradução para espanhol e inglês.

No valor definido para a realização do projeto, estão desde computador e softwares para a edição dos vídeos, até a mão de obra e o pagamento de recompensas aos que fizerem suas doações. A arrecadação oferece recompensas para cada colaborador, de acordo com o valor doado.

Até esta sexta-feira (13), o projeto havia arrecadado pouco mais de R$ 3 mil. “Essa é uma forma democrática e afetuosa de fazer as ideias virarem realidade e contribuir efetivamente para a cultura do diálogo nas relações de aprendizagem”, afirma o professor André Azevedo.

Breve perfil do educador

Paulo Freire, o grande pedagogo brasileiro, nasceu no dia 19 de setembro de 1921, em Recife (PE). Ingressou na Faculdade de Direito do Recife, em 1943, casando-se, no ano seguinte, com a professora primária Elza Maria Costa de Oliveira, que teria grande influência na sua vida e com a qual teve cinco filhos.

De 1947 a 1954, exerceu o cargo de diretor do setor de Educação e Cultura do Sesi, e de 1954 a 1957, o de superintendente do órgão. Na década de 1950, fundou no Recife, junto com outros educadores, o Instituto Capibaribe, uma instituição privada conhecida até hoje pelo alto nível de ensino, ética e moral, voltada para a consciência democrática.

Com o Golpe Militar de 1964, o novo governo considerou o “método Paulo Freire” perigoso e o proibiu. Depois de quase 16 anos de exílio, retornou ao Brasil e ao Recife em 1980.

É autor de vários livros, entre os quais pode-se destacar: A propósito de uma administração (1961); Educação como prática da liberdade (1967); Pedagogia do oprimido (1970); Cartas a Cristina (1974); Educação e mudança (1979).

Sua última aula foi dada na Pontifícia Universidade Católica (PUC), de São Paulo, no dia 22 de abril de 1997. Paulo Freire morreu de infarto, no dia 2 de maio de 1997, aos 75 anos de idade, em São Paulo.

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses