02 de abril de 2015

Mano Brown comenta sobre a diminuição da maioridade penal

Mano Brown diz que segurança é prioridade para morador da periferia

O rapper Mano Brown comenta sobre a PEC 171, que reduz a maioridade penal para 16 anos e está tramitando no Congresso. Confira a fala completa:

“A gente tem que tomar cuidado para que a periferia não seja a massa de manobra para aprovar isso. Eu vejo que essa cultura do medo, que é esses programas de televisão policiais tipo Datena, Cabrini, Fatiolo, esses caras, que da muita audiência, é uma coisa que vai à nossa casa e nossa família, acaba sendo refém disso, e, às vezes a gente mesmo acaba sendo refém disso, de ver gente igual a gente no muro. Não tem como negar que aquilo realmente não te atrai, porquê é um assunto que está no cotidiano, e isso tem sido usado pra realmente manipular a mente das pessoas a botar a segurança entre prioridades.

Qual a prioridade hoje de qualquer morador da periferia? Se você falar que é transporte, ele vai dizer não, vai falar que é segurança. O pai de família ou a mãe, ele quer segurança porquê ele tem medo da droga, da bala perdida, ele tem medo de todo esse universo que cerca isso, né?! A contravenção que assedia nossas crianças, assedia nosso filhos, nosso primos, nossa família entende?

Entao tudo isso está sendo um rio que está correndo pro mar do que? Da diminuição da maioridade penal, o medo das pessoas.. As pessoas querem cada vez mais ver os outros presos, como se realmente a solução fosse construir cadeia. Então é um perigo que a gente vai começar a correr agora nas eleições, eu não to aqui para fazer campanha pra ninguém. Só que, dependendo de quem a gente eleger, realmente o processo para acelerar a diminuição da maioridade penal vai ser rápido e vai ser aprovado rápido, porque o circo está montado pra isso, existe uma prédisposição da população para que isso seja aprovado.

Eu já tenho percebido nas ideias, eu vejo nas próprias pessoas da nossa comunidade quando você fala: ‘Você concorda com o moleque de 16 na cadeia?’ e o pessoal responde ‘Lógico! Já faz filho, pode ir pra cadeia!’. Então são raras as pessoas que não pensam assim, infelizmente é um trabalho que tem que ser feito, pode começar por aqui mas não vai parar, vai longe, entendeu?

Esse lance de convencer as pessoas que uma escola é mais importante do que uma cadeia, que um professor e mais importante do que um policial da Rota, entendeu? Então você tem uma cultura onde as pessoas tem medo de sair na rua, tem medo de ser assaltada, tem medo de tudo isso, da bala perdida, da droga, entende? Então o desenho está sendo realmente para isso, eu acho até muito difícil que isso não venha acontecer pelo que eu estou vendo.

Mano Brown teria que dar muito discurso, senador. E teria que botar muitas outras pessoas, muitas lideranças falando sobre isso e, de alguma forma, conseguir provar com números que, aonde os países que mais usam a pena de morte e esse tipo de punição a crianças e adolescentes, a criminalidade não diminuiu, como nos Estados Unidos, não é isso? La você tem criança que fica presa, você tem pena de morte, você tem perpétua, e é a maior população carcerária do mundo. Quer dizer que não é por aí, porque eles não tem controlado a criminalidade lá, e acho que no Brasil também não seria, muito menos aqui, entende? A população tem muita pressa, senador.

Se a gente fala coisas bonitas, coisas esperançosas, mas coisas pra daqui 20, que as pessoas querem ver amanhã. Ele quer viver em paz amanhã, ele queria que a droga fosse varrida da rua amanhã, que o filho dele não fosse assediado pela droga, que o filho dele também não flertasse com a droga, entende? As pessoas querem segurança, como a gente vai fazer isso? Cantando rap, eu também falei muito sobre violência durante 25 anos, coisa que o Datena faz agora, de 10 anos pra cá, entendeu?”

Veja a fala completa no youtube:

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses