12 de maio de 2015

Adriano Diogo: ‘Telhada é um defensor das graves violações contra os direitos humanos’

Foto: Alesp

Ex-comandante da Rota, Coronel Telhada (PSDB), assumiu uma das 11 cadeiras que compõe a Comissão dos Direitos Humanos da Assembleia de SP

Por Patricia Iglecio

O ex-deputado estadual, Adriano Diogo (PT), que foi presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), de 2011 a 2015, concedeu uma entrevista para a Vaidapé sobre a indicação do deputado Coronel Telhada (PSDB) para o cargo de presidente da comissão e sua nomeação para uma das cadeiras.

Leia também: 7 falas de Telhada para entender quem está cuidando dos direitos humanos em SP

Na sexta-feira (8), o ex-policial e hoje deputado, Coronel Telhada (PSDB), assumiu uma das 11 cadeiras que compõem a comissão. Para Adriano Diogo, Telhada é “um defensor de graves violações dos direitos humanos”. No entanto, o cargo de presidente foi ocupado pelo deputado Carlos Alberto Bezerra Júnior, também do PSDB.

Leia a entrevista

Vaidapé: O que você achou da indicação do Coronel Telhada para a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia legislativa de São Paulo?

Adriano Diogo: Eu acho que o primeiro erro foi a gente, o PT, não insistir em ter a Comissão de Direitos Humanos. Considero que foi um erro grande. O PT não podia abrir mão de uma comissão tão importante como a dos direitos humanos.

Mas eu também acho que o PSDB tem três indicações, o Telhada, o Carlos Alberto Bezerra e o Hélio Nishimoto. Para mim, o momento político atual tem a cara do Telhada. O PSDB tem a cara do Telhada. O PSDB hoje é o Telhada. Então, no fundo, se ele fosse eleito [para a presidência da comissão], seria a maior afronta a sociedade brasileira; a todos os valores da sociedade brasileira; da sociedade cristã ocidental; da sociedade moderna. A mesma coisa quando o Marco Feliciano (PSC) foi eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

É uma afronta. Não que eu esteja fazendo um julgamento, mas o Telhada deveria ir para a Comissão de Segurança Pública. É o normal, lá é o lugar para discutir segurança e essa é a especialidade dele. Eu não estou falando isso por escárnio, para fazer palavras fortes não. Ele tem preparo para ser da Comissão de Segurança, para tratar de assuntos penitenciários.

Agora, o PSDB concordar com esse jogo é um problema. Eu acho que essa comissão deveria ser do PT. Quem criou ela foi o PT. Ela é a cara do PT.

O Carlos Alberto Bezerra é uma pessoa que tem afinidade com os direitos humanos. Só do PSDB indicar o Telhada como membro, é uma provocação, entendeu? Eu não me conformo. Se ele fosse eleito, seria a cara do momento atual. É a cara do Eduardo Cunha e do Bolsonaro. É a cara do PSDB. Mas imagino a condição do Carlos Alberto de ser humilhado por essa possibilidade de disputa.

O Telhada é uma pessoa experiente, têm vários temas que ele está preparado. Mas a Comissão de Direitos Humanos é uma provocação. Ele é um ardoroso defensor da redução da idade penal, da pena de morte.

Você avalia que o PT está abrindo mão de uma política combativa nos direitos humanos?

Não, não estou falando isso. Porque o PT não abriu mão de uma política combativa. Eu só acho que o PT, como a segunda maior bancada da Assembleia, tinha direito a Comissão de Direitos Humanos. Foi um erro da maioria da Assembleia não dar a comissão para o PT, foi um absurdo. O PT que criou a comissão e ela é a cara do PT.

O que simboliza esse espaço ser ocupado por figuras contrastantes como o Coronel Telhada e a Débora, integrante do movimento mães de maio?

Significa um atentado. Significa um assassinato de reputação. Significa pisar na carta da ONU. Quando acabou a Segunda Guerra Mundial, foi criada a carta da ONU com os princípios universais dos direitos humanos pela paz.

O Telhada ser indicado para esse cargo é uma declaração de guerra, quer dizer que nunca os crimes da democracia e os crimes da ditadura serão apurados. É uma intervenção militar. É um golpe. Eu acho que é um jeito que a direita arrumou de humilhar o povo brasileiro, de nos humilhar.

Levando em consideração que o Coronel Telhada foi um dos deputados mais votados nas eleições, você concorda que, democraticamente, ele está representando um segmento?

Não. Pelo fato dele ter sido eleito é evidente que ele pode participar de qualquer comissão, mas eu acho que a de direitos humanos não é a mais adequada. Para mim, a Assembleia deveria preservar a sua imagem e, democraticamente, sugerir que ele trabalhasse em outra área, porque ele não concorda com os direitos humanos.

Ele é um defensor das graves violações aos direitos humanos. Por isso que eu te digo que ele deveria preservar a imagem dele, inclusive não fazendo essa provocação, não se candidatando à presidência dessa comissão. Mas a direita faz isso de propósito, levantando pautas como a cura gay, de perseguição aos homossexuais, aos negros, a questão do genocídio, dos grupos de extermínio, o sistema prisional, a Fundação Casa, a redução da maioridade penal.

O PSDB foi criado como um partido da democracia. É um partido que resistiu à ditadura e contribuiu para acabar com ela. Jamais poderia engessar a candidatura desse membro do partido à presidência da Comissão de Direitos Humanos.

O PT está fazendo um contraponto a essa provocação da direita?

O PT é minoria. Acredito que o PT tenha que dar embate em todas a suas instâncias, seus vereadores e deputados, militantes e sindicalistas tem que mostrar o seu repúdio a essa grave violação. A indicação e a possibilidade desse homem ser presidente da Comissão de Direitos Humanos já representa uma grave violação. Por isso eu acho que o PT tem que reivindicar a presidência dessa Comissão, e eu acho que o presidente da Assembleia deve considerar essa necessidade.

Mas acredito que o PT está se empenhando, fazendo um contraponto. O PT, como um todo, está indignado, os petistas estão revoltados.

Considerações finais?

Eu espero que não esteja sendo preparado mais um golpe contra o povo brasileiro. Um golpe é uma soma de “golpinhos”, isso é mais um “golpinho” contra o povo brasileiro nessa soma de perda de direitos. A cada dia o povo brasileiro está tendo os seus direitos diminuídos, então o fato do Telhada ser candidato, já é uma afronta.

É estranho que o PSDB e os tucanos não estejam se manifestando. Eu acho que o deputado Carlos Alberto Bezerra deve estar se sentindo extremamente humilhado com isso, extremamente diminuído. Não é só o PT e os petistas que tem que se revoltar, é a sociedade brasileira.

Eu te digo com a maior tranquilidade que isso é uma humilhação ao trabalho do Bezerra, o PSDB não poderia fazer isso com ele. O presidente da Assembleia não deveria permitir que essa humilhação estivesse acontecendo, está humilhando o nosso partido [o PT] e está humilhando o povo de São Paulo.

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses