07 de maio de 2015

Ás águas

As águas

Maré mansa
Mar é bravo
Maré leve
No Mar me salvo

Rio na água doce
Cachoeira limp’alma
Pelas correntezas eu vou
E sempre acho o que me acalma

Sou filha das águas
Sou doce e salgada
Te trago e te levo
Pro fundo e pro raso

Sou leve e te lavo
Sou forte e derrubo
Sou funda sou rasa
Sou clara e escuro

Mar calmo clareia
As ideias na cabeça
Cabeças que mãe criou
E Olorum abençoou

Mas não mexe comigo
Mar bravo é um perigo
Te levo pro fundo
Te afasto do mundo

Nas águas doces me lavo
Me sinto linda e forte
É Oxum que manda nas águas do Norte

Sou filha das águas
Sou fria sou quente
Chorona e sorridente
Sou filha de quem manda

Na minha cabeça Iemanjá
Na minha frente Oxum
Sou filha de rainhas
Não é pra qualquer um.

Poema Gabriela Abreu

Ilustra Clarita Catita

A RUA GRITA

Os direitos humanos frente à Cracolândia

Por: Isabel Rabelo  Problemas sociais e falta de políticas públicas abrem espaço para violações em … Continuar lendo Os direitos humanos frente à Cracolândia