07 de maio de 2015

Ás águas

As águas

Maré mansa
Mar é bravo
Maré leve
No Mar me salvo

Rio na água doce
Cachoeira limp’alma
Pelas correntezas eu vou
E sempre acho o que me acalma

Sou filha das águas
Sou doce e salgada
Te trago e te levo
Pro fundo e pro raso

Sou leve e te lavo
Sou forte e derrubo
Sou funda sou rasa
Sou clara e escuro

Mar calmo clareia
As ideias na cabeça
Cabeças que mãe criou
E Olorum abençoou

Mas não mexe comigo
Mar bravo é um perigo
Te levo pro fundo
Te afasto do mundo

Nas águas doces me lavo
Me sinto linda e forte
É Oxum que manda nas águas do Norte

Sou filha das águas
Sou fria sou quente
Chorona e sorridente
Sou filha de quem manda

Na minha cabeça Iemanjá
Na minha frente Oxum
Sou filha de rainhas
Não é pra qualquer um.

Poema Gabriela Abreu

Ilustra Clarita Catita

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!