26 de agosto de 2015

Repórter da Globo pede entrevista para jovem do Capão Redondo e…

Da Redação

O jovem André Luiz nasceu no Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, e construiu sua trajetória nos últimos anos batalhando para concretizar a TV Doc Capão, iniciativa de mídia livre na comunidade. Começou sem computador próprio, mal tinha internet em casa. Utilizou o quarto da irmã, único na casa com acesso à rede, para dar seus primeiros passos.

Hoje, o canal funciona com diversos colaboradores, atuando em programas em vídeo para internet e promovendo oficinas de comunicação em bairros do extremo sul paulistano. Só isso já faz André ser respeitado por onde passa em São Paulo.

Nesta semana, no entanto, um caso mostra a grandeza de sua luta. Sendo assim, melhor deixar que ele conte esta história.


“Hoje depois de um evento em Goiás, o Repórter da Globo chegou e disse: ‘Irmão poderia me dar uma rápida entrevista sobre a sua experiência?’

Eu respondi: ‘Claro, mas antes me deixa tirar uma foto com seu Microfone?’

Ele olhou, pensou e disse: ‘Sim não vejo problema!’

Eu peguei o Microfone, tirei essa foto e devolvi o microfone na mão dele sorrindo.

No momento que ele posicionou a equipe e pediu para eu me aproximar.

Virei lentamente para ele e disse: ‘Perdão!’

‘Mas com a Rede Globo não rola, não rola meu amigo…’

Eu acho que o Jornalista, ficou PUTO comigo. ‪#‎Desculpe‬“.


André postou a foto no Facebook e a repercussão fez com que ele esboçasse alguns versos sobre o “causo”:


“Historias De Um Menino Qualquer

Era apenas 1 moleque que ainda sonhavam
ninguém botava fé
Nem esperava nada
Tudo era tão distante nem tinha internet
Um pouco de esperança e a vontade do moleque
O quarto da sua irmã ele pediu pra usar
Criou uma TV, para a mente ocupar
Ex usuário louco, isso não mudar pra família
Tentando sair, da tragédia garantida
Vários no caminho, ele viu se perder
“Andre” meu parceiro, onde esta você
Tem que trabalhar para ter um futuro
Eu não tinha nada, Então apostei Tudo.”

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!