25 de setembro de 2015

Banda Eddie apresenta novo disco em São Paulo


A banda de Olinda toca no Festival CoCidades, neste sábado, 26


Por Thiago Gabriel
Foto:Reprodução

“Preto véio, pense merda não/ que o mundo já tá cheio/ isso num é solução”. A frase abre a faixa “Queira não”, a primeira do disco “Morte e Vida”, o mais novo lançamento da Banda Eddie. O conjunto, formado em Olinda no final dos anos 80, tem uma vasta história no cenário musical do país, compondo a geração que apresentou o manguebeat ao mundo, junto com Chico Science, Nação Zumbi, Mundo Livre S/A e outras.

Em seu sexto disco, o Eddie se consolidou a partir da sonoridade que mistura o tradicional manguebeat recifense ao reggae, ska, o frevo, o samba-rock, riffs de rock e melodias que chegam a lembrar grandes orquestras pela composição do arranjo. “Morte e Vida” é uma livre releitura do livro “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto, e conta com 11 faixas que trazem letras empíricas e metafóricas, retratando o nordeste brasileiro de forma alucinante, romântica e filosófica.

A novidade que marca o disco é que sua pré venda foi realizada através do Kickante, uma plataforma online de financiamento colaborativo. A gravação segue sendo feita de forma absolutamente independente entre os integrantes da banda, mas a inovação permitiu que a distribuição não dependesse de um contrato com gravadora. “Pra gente que é independente e não conta com uma distribuição forte, a pré venda é uma maneira de você já sair com um trabalho novo e com vários produtos na rua, camisas, Cds, vinil, a música já circulando”, conta Fábio Trummer, vocalista e guitarrista do Eddie.


“Pra gente que é independente e não conta com uma distribuição forte, a pré venda é uma maneira de você já sair com um trabalho novo”


Com 448 doações, o projeto de “Morte e Vida” arrecadou R$24.970 na campanha do Kickante. O sucesso da arrecadação, explica Trummer, deve-se à relação da banda com seus fãs. “Nosso publico sempre chegou junto, sempre se faz presente nos shows, pagam ingresso e raramente reclamam do preço. É um publico fiel e incentivador. Sentimos que há sinceridade na nossa relação, e eles sentem que fazemos musica com a intenção de criar algo novo e próprio. Acho que isso os incentivou a colaborar com o nosso projeto.”

Para o vocalista, a nova alternativa de financiamento é importante, porém pontual. “Essa foi nossa ideia, a grana arrecadada era um cálculo pra prensar e enviar os CDs para as pessoas que participaram. Não pagamos a produção do álbum com o financiamento. Estúdio, mix, master, artes da capa, músicos contratados, release, fotos, cartórios, HD, transportes, site etc. foram pagos pela banda, com nosso trabalho mesmo. Mas é uma ferramenta fundamental nesse trabalho, estamos começando a colher os resultados desta iniciativa e, como pensávamos, faz uma diferença ter este apoio coletivo para disseminar nossa música.”


“Somos músicos autodidatas e só tocamos da nossa maneira”


Para ele, as novas plataformas pouco alteram, porém, a maneira de se fazer música atualmente. “Da visão de se fazer música acho que continua igual a como sempre foi. Estas plataformas não mudam em nada a maneira de compor, de pensar a letra, harmonia ou melodias. São só mudanças de formatação ou de divulgação. Mas até nisso acho que não afeta a música em si, são partes do trabalho bem distintas”, afirma.

Por isso, Trummer garante: quem ouvir o novo disco da Banda Eddie vai matar a saudades do grupo, que está há quatro anos sem lançar um álbum inédito. “Quem conhece a banda e ouvir o álbum vai matar nos primeiros acordes que é o Eddie quem tá tocando. Usamos a mesma orquestração, há quatro álbuns temos a mesma formação. Somos músicos autodidatas e só tocamos da nossa maneira. Portanto, no que diz respeito a identidade do grupo, ela permanece intacta”. Com relação as novidades na sonoridade, ele explica: “O que fizemos foi tirar o baixo e bateria da frente das músicas e, desta maneira, destacar a canção, as letras e um lado mais rock que a banda carrega, pra deixar uma zona de conforto nossa e arriscar outros êxitos”.

A Banda Eddie irá apresentar seu novo disco no palco musical do Festival CoCidade, neste sábado, 26 de setembro, em São Paulo.

__________________________________________________________________________________________

| SERVIÇO|

Quando? Dia 26 de setembro, sábado
Onde? Praça das Attes com a Boulevard da São João – Centro de SP
Que horas? A partir das 21h30

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!