30 de outubro de 2015

Mães de Maio convoca população ao júri de policiais que assassinaram jovem negro em Itaquera


Da Redação
Foto: Thiago Gabriel

12202503_957552247643737_1152410996_n

Em novembro de 2008, quatro policiais militares da Força Tática, mataram o jovem Marcos Paulo na COHAB José Bonifácio, em Itaquera, zona leste de São Paulo, o obrigando a beber um tubo de lança-perfume, droga manufaturada com solventes químicos à base de cloreto de etila, o que levou a sua morte. Marcos, acompanhado de outro amigo, estava fumando maconha quando foi abordado pela Policia Militar. Testemunhas afirmam que o tubo com a droga não pertencia aos jovens.

O movimento Mães de Maio, que denuncia assassinatos e a truculência policial contra jovens, sobretudo da periferia, fez uma convocação à sociedade civil para comparecer no júri dos policiais envolvidos no caso, que ocorre na próxima terça-feira, 3 de novembro, no fórum da Barra Funda. As mães acreditam que só com apoio da população, será possível dar visibilidade e cobrar justiça pelo genocídio sem fim promovido pelo Estado.

Triste tempo em que temos que lembrar que o fato do jovem estar fumando maconha não é, de forma alguma, justificativa para que o braço armado do Estado subtraísse mais uma vida. Marcos Paulo não morreu porque estava fumando maconha. Se essa fosse a prerrogativa, toda semana, teríamos jovens brancos mortos pela polícia no Masp, na Augusta, na Vila Madalena. Marcos morreu por ser negro, pobre e morar na periferia.

Abaixo, segue a nota das Mães de Maio:

Marcos Paulo – Presente!
Na madrugada de 10 de novembro de 2008, Marcos Paulo de Souza foi morto pela Polícia Militar de SP. Marcos estava fumando um cigarro de maconha com seu amigo J. na COHAB José Bonifácio. Os jovens foram abordados por PMs da Força Tática da PMSP que, com armas apontadas para seus corpos, obrigaram-nos a ingerirem uma substância tóxica contida num vidro encontrado no local, causando a morte de Marcos Paulo.

Os PMs Carlos Dias Malheiros, 39, Claudio Bonifazi Neto, 29, Jorge Pereira dos Santos, 45, Rafael Vieira Junior, 30, Rogério Monteiro da Silva, 32, e Edmar Luiz Silva Marte, 29, são responsáveis pelo homicídio de Marcos Paulo e tentativa de homicídio de J*. O júri será no dia 03 de novembro, às 12h00, no IV Tribunal do Júri do Foro Criminal Central da Barra Funda, Avenida Dr. Abraão Ribeiro, 313, Santa Cecília, São Paulo. É só com pressão popular que garantimos justiça e damos visibilidade aos casos cotidianos de mortes por policiais que não são do interesse do Estado e da grande mídia que venham a público.

Quanto mais interessadas e interessados para que a justiça pela vida de Marcos Paulo seja feita, maiores as possibilidades dos PMs serem sentenciados como culpados. Participe deste movimento divulgando o caso e, se possível, comparecendo ao júri.

A RUA GRITA

Os direitos humanos frente à Cracolândia

Por: Isabel Rabelo  Problemas sociais e falta de políticas públicas abrem espaço para violações em … Continuar lendo Os direitos humanos frente à Cracolândia