02 de dezembro de 2015

Ensaio | A arma do polícia e a cadeira dos estudantes


Durante ato dos estudantes que ocupam a E.E Caetano de Campos, na Av. 9 de julho, investigador da polícia saiu de seu carro e apontou uma arma de fogo para os manifestantes. A Vaidapé esteve presente e preparou um ensaio de fotos


Relato: André Zuccolo
Fotos: André Zuccolo

12322462_10207886868791326_7312467605599744185_o

Por volta das 18h desta terça-feira, 1º de dezembro, estudantes se reuniram em frente a E.E Caetano de Campos, na Praça Roosevelt. O grupo seguiu sentido Avenida 9 de Julho, bloqueando a passagem dos carros e ônibus. A arma dos alunos: carteiras da sala de aula para bloquear a via. Apenas os motoqueiros podiam passar, com a condição de descer da moto pra maior segurança dos manifestantes.

Organizados de maneira simples e improvisada, os estudantes davam uma aula de cidadania, atitude e respeito, evitando qualquer tipo de confusão com motoristas que estavam no trânsito e que, eventualmente, causavam alvoroço.

Em certo momento, um carro Palio vermelho tentou fugir do bloqueio por cima do ponto de ônibus. Ao tentarem impedir, os estudantes foram ameaçados com uma arma de fogo pelo motorista, que se identificou como um investigador da polícia. A atitude indignou todos os presentes, que cercaram o carro imediatamente. A situação só foi resolvida com a chegada do Grupo de Operações Especiais (GOE).

12314360_10207887157238537_3248334353385630182_o
O dono da arma

A manifestação foi totalmente pacífica, e os próprios estudantes se organizaram para não haver nenhum tipo de vandalismo. Após algumas horas de bloqueio, os carros conseguiram fugir e só restavam os ônibus. A Polícia Militar, que até então não havia interferido na manifestação, deu um ultimato e avisou que se os manifestantes não liberassem iriam atacar.

Os alunos resistiram e o clima se transformou num confronto de guerra. A PM de um lado, equipada com todo o seu aparato repressivo, e os estudantes e suas cadeiras do outro. Dito e feito, a Tropa de Choque deu o primeiro tiro e a correria começou. Os estudantes resistiam do jeito que conseguiam e alguns manifestantes foram detidos.

Após se dispersarem, os alunos terminaram o ato na escola ocupada. Mais um capítulo da guerra da PM contra os estudantes, promovida pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Confira o ensaio de fotos:


12339500_10207887219880103_724228295881266696_o 12291119_10207887160918629_9189263772216798157_o 12304104_10207886908272313_470054229627609232_o (1) 12304544_10207887164838727_953899670324926181_o 12307563_10207887214559970_1760964152272876757_o 12314188_10207886871391391_5494280112119038709_o 12304547_10207887208079808_651840358461770771_o 12314176_10207887208519819_1996975345245045804_o 12309688_10207887204119709_1448400141879521239_o 12309535_10207887201519644_7981483258428823557_o 12314489_10207886908232312_7280787601289507973_o 12314506_10207887144358215_5374575718471523762_o 12314650_10207886871751400_8817557027283380525_o 12314655_10207887226880278_475539006792674227_o 12339085_10207887223240187_486057574813263911_o 12308102_10207886911072383_7002579971822267777_o (1) 12314347_10207886911272388_5906877033785645903_o 12291162_10207886911232387_262572782914231714_o (1) 12291954_10207887158038557_8638969708027292459_o 12239211_10207887208479818_5332592517894582299_o
A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!