26 de janeiro de 2016

Pretxs: Nova série da Vaidapé entrevista jovens negros LGBTT


Minissérie traz questões do dia-a-dia daqueles que são obrigados a lidar, simultaneamente, com as opressões de raça, gênero, orientação sexual e classe.


Por Jay Viegas

No Brasil, 63% dos jovens assassinados em 2012, eram negros. Uma pessoa LGBTT é assassinada a cada 26 horas. É nesse mesmo país que apenas 1% dos professores universitários se declaram negros e, a cada 10 jornalistas, apenas 2 são negros, segundo levantamento da FNJ. Tudo isso se reflete na falta representatividade na mídia

A pessoa LGBTT e negra é habitante de dois mundos distintos, porém igualmente cercados de tabus na sociedade brasileira. Os discursos preconceituosos que os estigmatizam e estereotipam, levam esses indivíduos a ocuparem uma espécie de não-lugar e, evidentemente, a não se sentirem representados.

Captura de Tela 2016-01-26 às 18.27.47 Captura de Tela 2016-01-26 às 18.28.45 Captura de Tela 2016-01-26 às 18.26.58 Captura de Tela 2016-01-26 às 18.24.45

Os quatro primeiros entrevistados da série PretXs


Pretxs foi desenvolvida com o intuito de ser uma aliada na luta por uma mídia mais democrática e condizente com a pluralidade da experiência humana, especialmente daqueles indivíduos historicamente excluídos e subjugados.

Assista os primeiros episódios na playlist abaixo:

“>

A série foi desenvolvida como um projeto de TCC ao longo de 2015, intitulado “Identidades Abjetas: Uma reflexão sobre o não-lugar do negro LGBTT na cidade de São Paulo”. 

A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo