29 de fevereiro de 2016

Ensaio | Carnaval Tenda 9 de Julho


No último sábado, dia 27, o coletivo Doe um Ouvido organizou uma festa de carnaval para a população em situação de rua do centro de São Paulo. Nosso fotógrafo Lucas Crispim registrou o rolê


Fotos: Lucas Crispim

A festa de Carnaval em São Paulo tem se caracterizado, cada vez mais, pelos bloquinhos que tornam às ruas em festa. Essas mesmas ruas, na maior parte do ano, ficam ocupadas por quem as vive intensa e diariamente: as milhares de pessoas em situação de rua que habitam a cidade de São Paulo. Enquanto muitos transitam e passam cegamente pelas movimentadas avenidas, essas pessoas permanecem, resistem. São parte constituinte da cidade.

23 (6) 21 (6) 12 (9)

No Carnaval, a impressão de uma população privilegiada em uma cidade como a nossa, é de que as ruas nos pertencem. Que o frescor de andar no meio de uma Avenida Paulista ou Faria Lima, onde antes habitavam apenas carros – em nossa cega ilusão -, é a certeza de que precisamos fazer isso mais vezes. “Precisamos viver a cidade!”. Esquecemos que, se nós escolhemos não ter de lidar com os problemas de nossa megalópole diariamente, muitos não tem essa opção.

11 (8) 5 (9) 15 (6) 24 (4) 19 (6) 22 (6) 8 (9) 7 (9)

A Tenda 9 de Julho é um espaço de vivência vinculado ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População em Situação de Rua (CREAS). Por lá, mais de 600 crianças e adultos convivem diariamente.

A unidade pública oferta serviços especializados continuados a famílias e indivíduos nas diversas situações de violação de direitos, onde as pessoas podem tomar banho e retiram as senhas para os albergues das regiões centrais de SP.

1 (8) 3 (10) 27 (1) 28 (1)
A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses