18 de abril de 2016

‘Meu rap é plus size, tamanho hip hop!’


Novo trabalho das rappers Issa Paz e Sara Donato fala sobre gordofobia, machismo e afirmação da mulher na cena hip hop


Por Gil Reis
Fotos: Georgia Melli

Convidadas do programa Vaidapé na Rua, as MCs Issa Paz e Sara Donato, que apresentaram o novo disco, o Rap Plus Size, que será lançado em junho. O trabalho das rappers fortalece a afirmação das mulheres e das pautas feministas na cena hip hop.

Ouça o programa completo no player:


“A idéia do Rap Plus Size é de se assumir, se colocar. A gente é gorda, a gente faz rap, a gente faz o que a gente quiser e dane-se o que você pensa”, conta Sara. Segundo ela, o nome é para chocar mesmo. “Quando perguntam o que é, a gente responde que é rap de gorda”, completa.

A luta pelas causas das mulheres e a bandeira feministas premeiam as músicas das MCs, algo não muito comum na cena do rap. Para Issa Paz, “não é que o hip hop é machista, mas ele reproduz isso por que está dentro de uma sociedade machista”.

issapazesarahdonatofoto

Segundo as rappers, marcar presença no rap gera uma afirmação capaz de desconstruir pensamentos e de disseminar, tanto na cena quanto nas comunidades, a ideia de que a mulher está presente, que vai cantar sobre discriminação e preconceito.

As duas fazem parte da Frente Nacional de Mulheres no Hip Hop, que nasceu fazendo um contraponto a predominância dos homens no rap. “Isso silenciava as mulheres. Seja para estar nos eventos, seja para ter espaço ou cantar sua música na rádio. Até hoje isso acontece muito e a Frente Nacional nasceu para representar a mulher no hip hop”, explica Issa Paz.

Para ela, as coisas estão mudando na cena, principalmente em São Paulo. Ainda assim, muitos rappers seguem cantando músicas machistas sem serem cobrados. “Agressor, estuprador e abusador têm, mas a gente não vai se calar perante a isso. Não pode deixar passar batido.”

Nos últimos anos, alguns músicos e grupos de visibilidade passaram a abrir espaço para as minas nos lines. Ainda que pontual e insuficiente, a iniciativa, segundo as rappers é bem vinda. “Quando você tem alguém com nome na cena que abre espaço para uma mina cantar é muito importante. Com representatividade em um show do Racionais, imagina quantas pessoas vão procurar esse trampo?”, indaga Sara.


O DISCO

A ideia do disco vem sendo semeada há pelo menos dois anos. “A gente pensa muito igual. Tem bastante coisa a ver na nossa caminhada”, relembra Issa. “Eu falei pra Sara: vem pra São Paulo* e vamo meter o loco!”.

Como a maioria dos cantores independentes, levantar grana foi difícil. “Tinha uns cd´s da Arte da Refutação [1º disco de Issa paz] em casa e a gente foi vendendo de mão em mão, pelo valor que a galera quisesse pagar”, relembra Issa Paz.

O disco ainda está sendo finalizado e vai ser lançado oficialmente no meio do ano, com participações de Souto MC e Luana Hansem, além de outras rappers da nova safra. Tudo foi gravado no estúdio da OQ?! Produções, que já fortalece o trabalho das duas há algum tempo. A parceria rendeu o clipe “Respeita Nosso Corre”, que já tem mais de 15 mil visualizações no Youtube e é o primeiro produto audiovisual da parceria entre as duas.

As MCs também fazem participação em outras iniciativas, como a Batalha Dominação, feita só por minas e que acontece todo penúltimo sábado do mês, em frente ao metrô São Bento, região central de São Paulo. O próximo rolê será no dia 23 de abril, aberto a todas que quiserem chegar.

Confirme presença no evento, clicando aqui.

A RUA GRITA

‘É quando som de preto toca que incendeia o baile’

Cantada pelo músico capixaba Fabriccio, a frase acima integra o single “Teu Pretim”, do disco … Continuar lendo ‘É quando som de preto toca que incendeia o baile’