30 de maio de 2016

Zona Sul recebe atividade da Iniciativa Negra por uma Nova Política de Drogas


Dia de mobilização por uma nova política sobre drogas será em praça do Campo Limpo, no próximo sábado (4), e vai reunir mães, familiares, artistas e militantes de movimentos sociais contra o extermínio da juventude negra


Da Redação
Foto: Divulgação

Qual política de drogas queremos? É a partir dessa pergunta que a Iniciativa Negra por Uma Nova Política sobre Drogas (INNPD) chega a São Paulo (SP). A resposta é a seguinte, de acordo com o manifesto da nova rede anti-proibicionista: “todos os dias a Polícia mata e prende gente preta nas periferias das grandes cidades do Brasil. Essa atual política não serve para mães que perdem filhos, jovens transformados em “suspeitos padrão” pelo simples fato de serem pretos. Chegou a hora de se discutir uma nova política sobre drogas”.

No próximo dia 4, sábado, a Iniciativa Negra por Uma Nova Política Sobre Drogas (INNPD) vai se reunir no Campo Limpo, na zona sul de São Paulo, para continuar escutando quem mais sofre com a guerra às drogas. A INNPD é uma rede de coletivos, ativistas, movimentos sociais e entidades que tratam das pautas raciais e de políticas de drogas. A iniciativa está organizando em diversos estados do país.

Essa atividade compõe o calendário da Iniciativa Negra que visa percorrer regiões do Brasil promovendo atividades acerca da política de guerra às drogas, dando visibilidade e protagonismo para as vozes daqueles e daquelas que sofrem os efeitos da guerra.

São parceiras, para os debates no Campo Limpo, a Agência Popular Solano Trindade e a União Popular de Mulheres, juntamente com o Centro de Defesa e Convivência da Mulher que atende mães que perderam seus familiares e desenvolve ações com a família cujo o foco é o fortalecimento da Rede de Proteção – que envolve formação e inserção no mercado de trabalho através das ações integradas da Economia Solidária.

A atividade do próximo sábado será “Microfone Aberto”: a INNPD quer ouvir sua voz na Roda de Conversa e também no Sarau que ficará por conta do Sarau Preto no Branco, tradicional encontro de poetas e artistas. No fim da tarde, vai rolar o Ragga Pei, renomada festa que faz o maior sucesso tocando ritmos jamaicanos, como Ragga, Dub e Ska.

A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo