08 de agosto de 2016

Além de rapper, Ogi mostra por que é um verdadeiro cronista da cidade cinza


Rodrigo Ogi viveu as ruas de São Paulo dos anos 90 e faz uma análise do rap na atualidade


Por Iuri Salles

Captura de Tela 2016-08-05 às 18.00.07No 15ª episódio da série “O que é o rap” trombamos o vovô do rap nacional, Rodrigo Ogi. A Vaidapé trocou uma ideia com o rapper sobre a qualidade dos raps que entraram nas FMs do Brasil, presença de rappers na TV, pixação e muito mais.

Com mais de um década de carreira, Ogi hoje figura entre os principais rappers do país. Os dois primeiros álbuns solo foram muito bem avaliados e entraram em quase todas essas listas de melhores discos do ano que a gente vê por ai.

Ogi é um daqueles rappers que viveu as ruas de São Paulo dos anos 90, e tem muito desse clima de metrópole em seus versos. “Eu adquiri esse caos da cidade de São Paulo. A poluição, os prédios, isso pra mim é romântico, é paisagem. Daí que saem minhas ideias”, diz. Não por acaso o seu primeiro álbum é intitulado “Crônicas da Cidade Cinza”.

“Rap, a maioria que está na rádio, tirando dois ou três, não salva ninguém. Infelizmente, é a mentalidade que eles colocam pra vender”

O artista demonstrou um certo incômodo com os sons de rap que tem tocado nas rádios do Brasil. “Rap, a maioria que está na rádio, tirando dois ou três, não salva ninguém. Infelizmente, é a mentalidade que eles colocam pra vender”, crava o MC.

Atualmente, Rodrigo está desenvolvendo a sua terceira faixa e fazendo shows pelo Brasil do seu disco “RÁ”. Ainda sem previsão de estreia, o próximo trabalho do MC com certeza já é aguardado com grande ansiedade pelo público.

Captura de Tela 2016-08-05 às 18.00.59
A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

A RUA GRITA

Volta Negra: um caminho da História de São Paulo

A caminhada acontecerá por pontos da cidade como a Praça da Liberdade, a estação Anhangabaú de Metrô e a Praça Antônio Prado. Até o século XIX, esses locais sediavam, respectivamente, a Forca, o Mercado de Escravos e a Igreja da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

A RUA GRITA

Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman

Os coletivos PIXOAÇÃO e ARDEPIXO pixaram o internacionalmente conhecido Beco Batman que abriga obras dos … Continuar lendo Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman

A RUA GRITA

MINI-DOC | “Sem Saldo”

Sem Saldo é mais do que um documentário feito por estudantes secundaristas de escolas públicas … Continuar lendo MINI-DOC | “Sem Saldo”

A RUA GRITA

Menos amor, por favor

Por: Tomás Spirandelli Duarte, do blog La Sinistra* Ilustração: Pedro Mirilli Fotos: André Zuccolo e … Continuar lendo Menos amor, por favor