15 de novembro de 2016

Série fotográfica ‘Afro-feminista’ é uma provocação visual ao racismo e misognia

Por: coletivo kolor rio


O ZONA foi lançado em 2015 pelo coletivo kolor rio. O projeto é dividido em séries de fotos formando “zonas” diferenciadas por temas e estilo


A série Afro-Feminista é uma homenagem à mistura de duas forças emancipadoras: feminismo e cultura afro. A mulher negra no Brasil e no mundo é refém do racismo e misoginia. Ela enfrenta uma grande variedade de questões, incluindo abuso sexual, violência doméstica, violência policial, os estereótipos culturais, a desigualdade de renda, a falta de cuidados de saúde e educação, etc.

Ela é sub-representada na política e na mídia e tem tomado recentemente sua luta para as ruas, às redes sociais, na música mainstream e festivais de arte. O coletivo kolor rio participa deste movimento via provocação visual.

07_tenis 02_grace 05_guerreira 11_arethainferno 08_giugiuchurrasco 04_papi 03_soco

Os cenários foram montados e os ensaios aconteceram no estúdio do coletivo, no Humaitá, Rio de Janeiro.

01_bamm 06_bonecagiugiu

O coletivo kolor rio nasceu em 2015 como produtora de eventos de arte. Pol Kurucz, fotógrafo franco-húngaro, lançou a kolor em 2011 na Hungria antes de radicá-la e reinventá-la no Rio de Janeiro para incluir ensaios fotográficos autorais.

As modelos, artistas, atores e drags do meio anarco-humanista da cidade que formaram o elenco e participaram também na concepção dos personagens e cenas. Uma outra forte e constante influência foi a estética teatral e glam-trash usada pelo fotógrafo.

A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo