15 de novembro de 2016

Série fotográfica ‘Afro-feminista’ é uma provocação visual ao racismo e misognia

Por: coletivo kolor rio


O ZONA foi lançado em 2015 pelo coletivo kolor rio. O projeto é dividido em séries de fotos formando “zonas” diferenciadas por temas e estilo


A série Afro-Feminista é uma homenagem à mistura de duas forças emancipadoras: feminismo e cultura afro. A mulher negra no Brasil e no mundo é refém do racismo e misoginia. Ela enfrenta uma grande variedade de questões, incluindo abuso sexual, violência doméstica, violência policial, os estereótipos culturais, a desigualdade de renda, a falta de cuidados de saúde e educação, etc.

Ela é sub-representada na política e na mídia e tem tomado recentemente sua luta para as ruas, às redes sociais, na música mainstream e festivais de arte. O coletivo kolor rio participa deste movimento via provocação visual.

07_tenis 02_grace 05_guerreira 11_arethainferno 08_giugiuchurrasco 04_papi 03_soco

Os cenários foram montados e os ensaios aconteceram no estúdio do coletivo, no Humaitá, Rio de Janeiro.

01_bamm 06_bonecagiugiu

O coletivo kolor rio nasceu em 2015 como produtora de eventos de arte. Pol Kurucz, fotógrafo franco-húngaro, lançou a kolor em 2011 na Hungria antes de radicá-la e reinventá-la no Rio de Janeiro para incluir ensaios fotográficos autorais.

As modelos, artistas, atores e drags do meio anarco-humanista da cidade que formaram o elenco e participaram também na concepção dos personagens e cenas. Uma outra forte e constante influência foi a estética teatral e glam-trash usada pelo fotógrafo.

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

A RUA GRITA

Volta Negra: um caminho da História de São Paulo

A caminhada acontecerá por pontos da cidade como a Praça da Liberdade, a estação Anhangabaú de Metrô e a Praça Antônio Prado. Até o século XIX, esses locais sediavam, respectivamente, a Forca, o Mercado de Escravos e a Igreja da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

A RUA GRITA

Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman

Os coletivos PIXOAÇÃO e ARDEPIXO pixaram o internacionalmente conhecido Beco Batman que abriga obras dos … Continuar lendo Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman