11 de novembro de 2016

Sexta edição da Revista Vaidapé é lançada no Grajaú em festival com debate, oficinas e muito rap


Seguindo a tradição dos festivais de lançamento da revista, a Vaidapé ocupou o Calçadão do Grajaú com muita música, arte e permacultura.


Da Redação
Fotos: André Zuccolo, Paula Serra, Thiago Gabriel e Yago Fawkes

30860999406_0cbc73eacf_o

No último domingo (6), o Calçadão Cultural do Grajaú recebeu o Segundo Festival de lançamento da sexta edição da Revista Vaidapé. Com distribuição gratuita da revista impressa, o evento contou com os shows de Max B.O, Sistah Chilli, Gu1hgo, Cronistas DaRua e SomSujo, com o comando das picapes nas mãos de Dj Crafter.

A abertura das atividades no Calçadão ficou por conta do debate “Mídia Independente na Quebrada”, que reuniu os coletivos de mídia da zona sul: Periferia em Movimento, QuebraMundo, Jovens Na Cena e Revista Expressão Cultural Periférica, para discutir o universo das iniciativas de comunicação periféricas na cidade de São Paulo. Entre os vários assuntos tratados, a roda de conversa abordou as dificuldades de financiamento e a importância para cada comunidade em assumir a voz e a narrativa das histórias que acontecem na região.

30261397143_5bf9efd1b3_o

Na sequência, DJ Crafter assumiu a programação musical do rolê, sempre representando a cena do Grajaú. Para o primeiro show da tarde, o rapper Gu1hgo levou seu Queer Rap diretamente de Guarulhos para o Calçadão, levantando a bandeira LGBT no palco da zona sul. Gu1hgo acabou de lançar o videoclipe da música Do1da.

A programação seguiu com as oficinas de permacultura e graffiti, abertas a todo o público presente. Os coletivos PermaPerifa e Casa Ecoativa formaram um círculo no Calçadão para a confecção das bombas de semente, com muita integração entre todos que participaram. Além de colocar a mão na terra, o momento também foi de troca e difusão de informações sobre a importância das práticas da permacultura nas quebradas.

O festival deixou suas pegadas no Grajaú com a oficina de stêncil promovida pelo coletivo Imargem, que atua com as várias manifestações da arte de rua na zona sul da cidade. Na intervenção, o público assumiu as latas de spray e marcou o chão do Calçadão com as pegadas, que formavam um caminho até frases selecionadas por quem participou da atividade. Os pés pretos, que também são o símbolo da Vaidapé, remetem ao Grito do Pé Preto, projeto realizado pelo coletivo que levou batalhas de rap, debates e shows para o Calçadão em uma série de eventos no ano passado.

30264924144_4a3a31bbed_o 30560914740_71705bf01e_o 30261858893_e58730449e_o 30773967451_455a5c178d_o 30264872064_05549e84ae_o

A noite foi caindo no Grajaú. A chuva não veio e o evento reunia a comunidade do bairro, cada vez mais presente no Calçadão. Foi a vez de Sistah Chilli fazer o público dançar com seu som que mistura as rimas do rap com as batidas do reggae, dub, ragga e soul, trazendo uma musicalidade elaborada às suas letras, sempre ácidas contra o machismo e as opressões da babilônia. A cantora lançou recentemente o seu novo EP, A Fronta Sonora.

Do Pará para as quebradas de Sampa, quem se apresentou depois da Sistah foi o grupo Cronistas DaRua que convidou para o show os manos do SomSujo. A parceria entre os grupos já acontece há um tempo, desde que os Cronistas passaram a viver no bairro do Ipiranga, mesma região onde nasceu o SomSujo.

30861317746_4e920d423a_o 30265659673_deef3639ac_k 30825487416_578a55365f_o 30780933532_ee2eb681a3_o 30862100245_3eda5343f0_o

Para fechar a noite em grande estilo, quem permaneceu no festival acompanhou o show da lenda do rap nacional, Max B.O. O rapper trouxe para o Grajaú sons que fazem parte do seu último trabalho, a mixtape Fumasom, como “Nós Gostamos” e “Fumasom“, além de clássicos como “Fábrica de Rap“. Como não poderia faltar, Max também impressionou o público com suas rimas improvisadas em freestyles que versaram até sobre a carteira de identidade de um dos presentes.

30261558383_7b8f22ac69_o

Ao final do festival, quem passou pelo Calçadão neste domingo levou seu exemplar da sexta edição da Revista Vaidapé para casa. Antes, a revista havia sido lançada em festival que lotou o CEU Butantã, na zona oeste da cidade. Quem não chegou nos rolês pode garantir a sua Vaidapé #6 nos pontos de distribuição espalhados pela cidade, contemplando espaços culturais de todas as zonas de SP. Fique atento na página da Vaidapé com os endereços em que a revista estará disponível e garanta a sua, sempre de forma gratuita.

CONFIRA MAIS FOTOS DO FESTIVAL:

30229865854_4aca7073e0_o 30773918481_2d328e9c0e_o 30560972440_d9f3d22b34_o 30226436903_ce81e4a046_o 30780678232_599c4e6fde_o 30808541951_7cd52c6b47_o 30780775212_4ba80d95d8_k 30861971465_23f2770c67_b 30773867891_2f3a6677cb_b 30825494536_bdbf85f253_b 30825491386_08c4d9d343_o 30226474573_5f16f7f232_b 30773890691_b28eccc3c3_b 30780769052_ae45214b70_k 30229829774_fe109a5078_b
A RUA GRITA

ENSAIO | A volta da caça às bruxas

Por: Felipe Malavasi A manhã de ontem (7) foi conturbada em frente ao Sesc Pompeia, … Continuar lendo ENSAIO | A volta da caça às bruxas