20 de janeiro de 2017

“Cidade linda é conversar com as pessoas. Repressão e isolamento é discriminação”


Após pedalar por cerca de 5 mil km, Piauí vem à Rádio Cidadã FM falar sobre o país e a nova gestão da Prefeitura de São Paulo


Por: Victor Santos

O Vaidapé na Rua inaugurou o ano de 2017 em grande estilo. O programa do dia 9 de janeiro, na Rádio Cidadã FM, a comunitária do bairro do Butantã, recebeu o artista Antonio Silva, mais conhecido nas ruas paulistanas e na rede mundial de computadores como Piauí Ecologia.

Ouça o programa completo no player:

Após longa viagem pelas estradas brasileiras, de São Paulo à Boa Vista (RR), quase 5 mil km de bicicleta, em 100 dias de pedaladas, Piauí retornou à capital paulista, onde trabalha como artista de rua, na região da Avenida Paulista desde 1991. “Saí de São Paulo no dia 7 de setembro e fui até a cidade de Boa Vista pedalando, só andei de carro na reserva de Atuari onde não é permitido trafegar a pé e nem de bicicleta”, comenta.

Nasceu e viveu em Picos, interior do estado que leva seu apelido, onde morou até até os 14 anos de idade. Morava em uma casa construída por seu pai, a vida era dura e trabalhava na roça com sua família. “Trabalhava com a arte de encher a barriga dos outros”, como disse, em entrevista à Revista Vaidapé #3. “Aquelas sandálias de couro que hoje o pessoal usa pra dançar forró, que tá na moda, eu usava porque não tinha dinheiro pra comprar outra”, continua.

Aos 14 anos, deixou sua casa e foi se aventurar pelas estradas brasileiras. Viajou, muitas vezes sem dinheiro, por diferentes cidades, estados, rios e biomas do país. Aprendeu a ler, escrever e se construiu artisticamente na estrada. É um dos conhecidos Malucos de Estrada, que viaja vendendo seus próprios produtos, sem um destino pré-definido.

piaui1

“Eu saí (do Piauí) sem saber o que ia fazer. Os malucos carregam uma mochila nas costas, três alicates nas mãos e fazem uns colares lindos. Muitas obras de arte que carregam o nome de um designer são cópias da gente, os malucos. Já tenho mais de 30 anos no movimento, que tem que ser reconhecido como cultura no mundo inteiro”, debate.

Sobre a viagem, o artista e maluco de estrada conta ter tido contato com muitas pessoas marginalizadas. Relata ter conhecido muitos moradores da Amazônia completamente desamparados. Questionou o discurso ambientalista em todas as esferas, afinal, são os moradores os que mais lutam pela preservação da região e a grande maioria não recebe qualquer auxílio pelo serviço que presta.Piauí - Por Greta Rodrigues4

Pedimos dicas para os aventureiros planejando pegar a estrada. Piauí fala que é necessário se preparar física e psicologicamente, além de pontuar que: “Você não precisa levar um cartão de crédito, precisa levar o coração aberto que ninguém vai deixar você passar fome”.

Também discutimos, a partir da pergunta de um ouvinte, a legalização das drogas. Na visão do convidado, a droga só é proibida formalmente pois sempre foi acessível. Piauí ainda complementa seu argumento pedindo que mais dinheiro seja usado para a educação, e não para a construção de presídios, indo na contramão da nova proposta do Ministro da Justiça, Alexandre Moraes, como solução para a atual crise em que se encontram os presídios brasileiros.

Sobre a nova gestão para a Prefeitura da cidade, afirma: “Eu não torço contra nenhum prefeito, eu tenho que respeitar a escolha das pessoas, a democracia. O que eu não respeito é a repressão e está difícil”.

Os acontecimentos tem sido diários. Os artistas de rua, que são um marco da Avenida Paulista, vêm sofrendo dificuldades para trabalhar diante das políticas da nova gestão, e Piauí denuncia as ações repressivas em seu canal Relatos do Piauí.

Nos dez primeiros dias de governo do novo prefeito João Doria (PSDB), mais de 100 artistas foram impedidos de trabalhar, apenas na Paulista, e alguns tiveram seus trabalhos confiscados pela GCM. “Entrou um novo prefeito, vem os guardas, a GCM. Você não vê um antropólogo, um estudante de arte que acabou de sair da universidade. Porque não faz um trabalho mais bem estudado? Falta isso, unir o povo”.

Questionado se o governo tem uma atuação higienista, opina: “Cidade linda é conversar com as pessoas e saber o que elas podem fazer pela cidade. No meio dos moradores de rua tem artista, gente formada em universidade. Repressão e isolamento é discriminação e apartheid”, e continua “A gente não precisa de polícia e nem de GCM, e aí a gente conversa. Ele conversa com empresário, dono de Shopping, com a gente não”.

Contra uma lógica autoritária, Piauí vem promovendo piqueniques na região da Avenida Paulista durante os domingos para trocar ideias sobre a cidade. Todas e todos são bem vindos.

Trilha sonora:
Edson Gomes — Campo de Batalha
Sabotage — País da Fome

16196600_1070953276365384_1258904381_o
A RUA GRITA

A prefeitura de São Paulo está travando uma guerra contra as mulheres

Organizações de mulheres se manifestaram nessa quinta-feira (11) contra a gestão do prefeito João Dória … Continuar lendo A prefeitura de São Paulo está travando uma guerra contra as mulheres

A RUA GRITA

Liberdade

Por: Pedro Alves Fotos: André Zuccolo Trinta e um de julho, teatro municipal de São … Continuar lendo Liberdade