10 de fevereiro de 2017

Curso apresenta princípios do feminismo pela liberdade plena de todos os indivíduos

As dinâmicas vão ser construídas a partir das experiências ou pesquisas das pessoas inscritas


Por Alma Preta
Foto: Agência Brasil

No dia 18 de Fevereiro, sábado, das 14h às 18h, acontece o curso “O que é o feminismo?”. Organizado pelo Coletivo Dijejê, a atividade ocorre na Avenida Rio Branco, 211, sala 114, e tem o objetivo de apresentar os princípios do feminismo.

A ideia é sensibilizar as pessoas acerca das questões de gênero ao relatar as origens do movimento e as contribuições sociais do feminismo. A proposta é que as vivências sejam multiplicadas em escolas, sindicatos e organizações comunitárias, para que cada vez mais o público tenha conhecimento dos fundamentos básicos do movimento.

Jaqueline Conceição, organizadora do curso e fundadora do Coletivo Dijejê, almeja apresentar as posições comuns do feminismo, apesar de reconhecer as singulidades da atuação anti-machista de cada país. “O feminismo é uma pratica politica, que se pauta pela luta no campo dos direitos humanos, ou seja, visa garantir os direitos sociais políticos, culturais, estéticos, éticos, sexuais de um grupo que se caracteriza como minoria politica, que são as mulheres. Uma luta feminista ou anti machista, é uma luta por garantia de direitos e equidade civil”, diz.

Ela completa que o exercício político feminista pauta a liberdade plena de todos os indivíduos. Se não for coletiva e total, não há liberdade para as pessoas, de acordo com Jaqueline. “O desenvolvimento da humanidade não pode se dar à custa da vida de animais crianças, idosos, negros, mulheres, gays e todos os grupos lidos como minorias politicas. A humanidade deve desenvolver-se para todos nós. E essa reflexão, o movimento feminista, na sua mais complexa interface, nos proporciona. Ele nos faz pensar, sobre qual mundo queremos e por que queremos.”

Cronograma

14h – Apresentação
14h30m – O que é natural e o que é biológico?
15h – Café
15h30 – A construção social do ser mulher
17hs – A luta de classes é a luta da mulher?
18hs – Encerramento

Serviço

Valor: R$ 75,00
Vagas: 20 lugares

O_que_é_Feminismo
A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo