04 de maio de 2017

Conheça o PME, o grupo de pixadores que organiza ataques políticos

Em mais uma entrevista da série produzida pela Vaidapé para debater a pixação em SP, conversamos com integrantes do Pixo Manifesto Escrito


Por Iuri Salles
Fotos: Fábio Vieira/FotoRua

A Vaidapé foi até o Centro de SP pra conversar com membros de uma das células do PME – Pixo Manifesto Escrito, um grupo de pixadores que se organiza para realizar ataques políticos nos muros e ruas de São Paulo.

O PME existe desde 2013 e assume a autoria de atos como atropelos a galerias, manifestações, pixações na embaixada holandesa em Berlim, ataque a sede de partidos politicos, monumentos históricos e mais uma série de ofensivas que você viu nos últimos tempos.

Alguns dos membros detalharam como pixaram o Monumento das Bandeiras, um ícone histórico de São Paulo repleto de contradições. Também conversamos sobre como o o movimento chegou até terras europeias, quais as motivações do grupo e como funciona a organização.


LEIA A ENTREVISTA COMPLETA


Vamos começar com um dos principais atos do PME, a pixação do Monumento das Bandeiras, como, e porque e rolou esse ato?

O Monumento das Bandeiras foi na época dos protesto de junho de 2013, quando tava estourando as manifestações. E também foi na época da PEC 215 das demarcações indígenas [a PEC quer transmitir do Executivo para o Congresso a responsabilidade de demarcar as terras]. Bem no dia da causa indígena a gente foi e pixou mesmo: ‘Bandeirantes Assassinos’ e colocamos o símbolo do PME bem no peito do cavalo. Foi ali que a gente começou a pôr em prática o PME.

“PME é o futuro. Quando a pixação for captada pela indústria da arte em geral, o PME vai ser o movimento que vai continuar legitimando os pixadores e a sua transgressão”

Foi a primeira ação prática do PME?

Isso! Começamos bem.

Alguém foi preso?

Não.

E como foi a repercussão no dia seguinte?

Foi ótimo, saiu em todos meios de comunicação, revista, livro.

Vocês também pixaram a sede do PSC (Partido Social Cristão), porque?

A gente pixou “Jesus não é facista”. Foi bem na época do Bolsonaro, que ele tava falando várias bostas. Também tinha o Feliciano, aí a gente decidiu fazer lá.

E na galeria CRIVO vocês atropelaram as obras do fotógrafo Choque. Qual foi o motivo?

Porque ele filmou nosso amigo que morreu pixando, utilizou a imagem dele sem autorização e ganhou dinheiro com isso. E essa fita do Choque é bom a gente explicar, porque na época muita gente defendeu ele, passou a mão na cabeça dele sem entender o que ele fez. Ele foi legitimado no movimento pixo por outros pixadores e se aproveitou do movimento pra fazer grana.

E como foi a ação? Como vocês fizeram pra entrar?

Mano, é guerrilha. A gente estudou a galeria dias antes, entramos e fizemos. Sem identificar ninguém, todo mundo com a cara tampada. Missão de PME não é pegar uma latinha e sair rabiscando, porque se você rodar você vai se foder, vai tomar uns processo louco. PME se sair de qualquer jeito vai em cana.

Ação do PME na Galeria CRIVO

A galeria estava aberta?

Sim, fazia parte da estratégia que a galeria estivesse aberta.

E como foi lidar com a segurança? Vocês renderam os seguranças?

Não, a gente explicou que o B.O não era com eles, nem com a galeria, era com o artista. Tanto é que ninguém mexeu nas obras de outros artistas.

As pessoas entenderam esse ataque?

Quem tava de chapéu atolado não entendeu. Ele procurou a Globo, Folha de São Paulo para dar a versão dele. Mas quem tem a visão da rua sabe que a resposta foi dada. Ele mesmo sabe que se queimou e não faz mais nada com pixação.

O que o PME representa pra pixação na visão de vocês?

PME é o futuro. Quando a pixação for captada pela indústria da arte em geral, como já vem acontecendo,  o PME vai ser o movimento que vai continuar legitimando os pixadores e a sua transgressão.

“É igual anarquia, qualquer pessoa que se identificar com a ideologia e quiser fazer faz, só que tem que seguir essa conduta”

E qual a forma de organização do PME?

São células. É igual anarquia, qualquer pessoa que se identificar com a ideologia e quiser fazer faz, só que tem que seguir essa conduta. E uma célula não conhece a outra. Se uma pessoa for pega, ela não vai saber explicar detalhes de outras ações que rolaram no Brasil.

Existe uma liderança?

Não, existe uma conduta que deve ser seguida.

Hoje existem células do PME fora de SP?

Acho que praticamente todos os estados onde existe um movimento de pixação tem PME. Belo Horizonte, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia.

E como vocês analisam as células que estão agindo fora de Sampa?

Tudo que eu vi foi bem feito, não teve um cara que quis assinar a próprio pixo, fazer o barato por ego. Até porque o cara do PME que assumir a responsabilidade desse ego vai segurar todos os B.Os do Brasil inteiro.

“Quando o pixador sai dos extremos e vem pro centro ele vem ocupar o seu espaço, é a forma dele de fazer protesto. Porque a gente vem de lugar que só tem chacina”

Quem é o inimigo do PME?

Tudo que oprime a quebrada.

Vocês pensam em atacar o Doria diretamente?

Não, porque ele usa isso como marketing. A gente já fez o contestamento, que é outra coisa. Ele não vai ter história em cima da pixação.

Vocês acreditam que quando vão contra o projeto “Cidade Linda” essa é uma forma de embate entre classes?

Sim mano, com certeza. A maioria dos pixadores é de periferia e essa ideia de Cidade Linda é uma ideia elitista. Quando o pixador sai dos extremos e vem pro centro ele vem ocupar o seu espaço. É a forma dele de fazer protesto. Porque a gente vem de lugar que só tem chacina, onde a polícia mata todo mundo e o caralho.

Na chacina de Osasco/Barueri onde 19 pessoas foram assassinadas rolou ação do PME também?

Rolou, a gente foi lá, pixou o PME e escreveu ‘quem matou os 19?’

Quando o pixador ALD foi assassinado pela Policia Militar dentro de um prédio, foram vocês que organizaram o protesto em frente a Secretária de Segurança Pública?

Fomos nós sim. Pô, foi a coisa mais linda, uma pá de pixador fechando a rua e pedindo justiça. E isso gerou uma parada bem louca, que levou o PME pra fora do país. Um pixador alemão pixou a embaixada da Holanda em Berlim com o símbolo do PME e a data do assassinato do ALD.

E o membro do PME que pixou a embaixada holandesa em Berlim é brasileiro?

Não, é alemão mesmo.

E vocês sabiam que ele faria essa ação?

Não, ele que viu os atos do PME cobrando justiça pelo assassinato do JETS e do ANORMAL. Se ligou em tudo e fez a pixação com o nosso pixo, tudo certinho.

Pixação na embaixada holandesa em Berlim
A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

A RUA GRITA

Volta Negra: um caminho da História de São Paulo

A caminhada acontecerá por pontos da cidade como a Praça da Liberdade, a estação Anhangabaú de Metrô e a Praça Antônio Prado. Até o século XIX, esses locais sediavam, respectivamente, a Forca, o Mercado de Escravos e a Igreja da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

A RUA GRITA

Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman

Os coletivos PIXOAÇÃO e ARDEPIXO pixaram o internacionalmente conhecido Beco Batman que abriga obras dos … Continuar lendo Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman