06 de junho de 2017

Primeira Feira: é possível ser independente!


Rolê realizado pela Vaidapé em parceria com outros coletivos reuniu mais de 300 pessoas e diversas iniciativas de arte da cidade


Da Redação
Fotos: André Zuccolo

É possível. Foi isso que mostrou a Primeira Feira de Arte Independente, realizada pela Vaidapé em conjunto com os coletivos Andaime (responsável pela cenografia e montagem), Coisaboa Produções,  A Porta Maldita e Proibido Estacionar, que também são da cena da arte e cultura independente de São Paulo.

A feira promoveu encontros, criou parcerias e mostrou uma possibilidade real de um rolê independente que valorize e monetize os trabalhos artesanais de cada artista e coletivo.

Foram 50 expositoras e expositores, cada um com uma ideia e um produto diferente. Fotos artísticas, cerâmicas, livros independentes, culinária nômade e cerveja artesanal: tudo isso unido ao som de Dj Pae Vito, Lu Manzin, Ju Mineira, Obinrin Trio e DJ Meraki que criaram um clima de encontros e possibilidades, mostrando o poder da formação de uma rede independente de artistas, produtores e comunicadores.

Mais de 300 pessoas colaram, mostrando que o público também acredita e apoia novas formas de financiar coletivos e artistas, criando um espaço acessível de cultura e fortalecendo financeiramente essas iniciativas.

A Vaidapé agradece a todos que colaram e fortaleceram a arte, cultura e comunicação independente de São Paulo! Até a segunda edição da Feira!

Confira os cliques da Primeira Feira de Arte Independente:

A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo