27 de outubro de 2017

Ajude o mestre da Banda de Pífanos de Caruaru a conhecer o Horto do Padre Cícero

Aos 98 anos de idade, Sebastião Biano é peça fundamental na formação da identidade cultural da região Nordeste e testemunha ocular da história de nosso país. Nascido em Mata Grande (Alagoas) em 1918, começou aos cinco anos de idade a tocar pífano, espécie de flauta tradicional do nordeste brasileiro, e ainda menino se apresentou para ninguém mais, ninguém menos, que Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. Fundou a Banda de Pífanos de Caruaru e teve suas canções regravadas por artistas como Caetano Veloso e Gilberto Gil.

O Sonho de Sebastião

Em 1926, uma forte seca atingiu o Nordeste e a família de Sebastião teve de se mudar. “Esse ano de 26 ninguém lucrou nada. Nada, nada, nada. A lavoura tava no ponto de começar a criar os grãos do milho e do feijão, e aí começou o Sol. Não teve quem comesse nada da roça.” Então seu pai, Manoel Clarindo, reuniu toda a família e partiram na direção de Juazeiro do Norte como retirantes, a pé. Foram 13 anos de caminhada, sofrendo com diversos períodos de seca e trabalhando de fazenda e fazenda.

Nunca chegaram a Juazeiro do Norte, terra de Padre Cícero, de quem Sebastião é devoto, e foram parar em Caruaru.

Com a ajuda de Junior Kaboclo, seu pupilo e integrante da Banda de Pifanos de Caruaru, Sebatião está agora com uma campanha de crowdfunding para realizar seu sonho de conhecer Juazeiro do Norte e visitar o Horto do Padre Cícero. Para realizar a viagem e gravar um pequeno documentário, Sebastião precisa de ajuda para arrecadar R$15.000. Mais da metade já foi arrecadada e a campanha vai até a próxima terça-feira, dia 31 de outubro.

Acesse a campanha no Benfeitoria e ajude Sebastião Biano a conquistar seu sonho:

https://benfeitoria.com/sonhodesebastiao

A RUA GRITA

Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

Por: Gabriel Kerhart É possível legislar sobre o belo? Talvez um professor de estética consiga … Continuar lendo Como Dória pode legislar sobre o que é lindo?

A RUA GRITA

Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

“Há momentos de tristeza, mas há momentos de alegria também. Ninguém é 100% uma coisa. … Continuar lendo Em família: a resistência LGBT na periferia da zona sul

A RUA GRITA

Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

Faculdade que gerencia o hospital alega falta de recursos. Coletivos e população lutam para que … Continuar lendo Como o hospital da USP ficou à beira do abandono

A RUA GRITA

Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo

“Eu acho que você fica apaixonado por muita gente. Você é apaixonado o tempo todo. … Continuar lendo Ser gay aos 20 e poucos anos em São Paulo