16 de outubro de 2018

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo


Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses


Da Redação

A especulação imobiliária cerca São Paulo há muito mais tempo do que imaginamos. Nos últimos meses, a Igreja do Rosário dos Homens Pretos, no Largo do Paissandú, virou acampamento para cerca de 100 famílias, que ficaram desabrigadas por conta do incêndio no edifício Wilton Paes de Almeida.

Há pouco mais de cem anos, a região foi palco de uma história semelhante.

A atual Igreja da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos foi erguida no Largo em 1903. Antes disso, ela estava situada onde hoje se encontra a Praça Antônio Prado até que, por conta da especulação imobiliária, foi demolida.

Hoje, no mesmo lugar onde ficava a Igreja originalmente, funciona a plenos vapores a Bolsa de Valores de São Paulo, centro da especulação financeira do país.

Ali perto, na Praça Ramos de Azevedo, no mesmo período, famílias negras e pobres eram desabrigadas para a construção do suntuoso Theatro Municipal.

Para conhecer a história desses e outros lugares relevantes na vivência da população negra da cidade, especialmente até o século XIX quando a capital paulista se expandiu vertiginosamente, é preciso investigar a fundo os registros oficiais, já que boa parte dessa história foi silenciada ou até mesmo apagada.

A partir de uma longa e detalhada pesquisa, o coletivo Cartografia Negra decidiu recontar essa história para a população paulistana. Assim surgiu a Volta Negra, um ciclo de caminhadas pelo centro da cidade para resgatar esse passado. Na atividade, vêm à tona histórias de resistência e de opressão – todas ausentes da narrativa oficial da metrópole.

Recentemente, os integrantes da Cartografia Negra foram entrevistados pelo programa de rádio #VaidapéNaRua, na Central3.

Clique aqui e escute o programa na íntegra para saber mais sobre o projeto.

Depois do sucesso na primeira Volta Negra aberta ao público, o coletivo promove mais duas edições da caminhada neste ano.

A primeira atividade acontece neste sábado, 20, a partir das 15h. O ponto de encontro é o Largo da Memória, em frente ao Obelisco de Piques, na região central de São Paulo.

Para participar é só chegar! É sugerida uma contribuição voluntária de 35 reais.

A próxima caminhada será realizada no dia 24 de novembro.

Programe-se! Para mais informações, clique aqui.

Acompanhe o coletivo Cartografia Negra no Facebook 


Serviço

O quê: Volta Negra: percurso de resgate da história da população negra em SP
Quando: Sábado, 20 de outubro, às 15h
Onde: Largo da Memória, em frente ao Obelisco de Piques
Quanto: contribuição voluntária
Como confirmar: Evento no Facebook


A Volta Negra também pode ser realizada em escolas [com estudantes do Ensino Médio] ou grupos fechados. Interessados podem entrar em contato por cartografianegra@gmail.com.


A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

A RUA GRITA

Volta Negra: um caminho da História de São Paulo

A caminhada acontecerá por pontos da cidade como a Praça da Liberdade, a estação Anhangabaú de Metrô e a Praça Antônio Prado. Até o século XIX, esses locais sediavam, respectivamente, a Forca, o Mercado de Escravos e a Igreja da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

A RUA GRITA

Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman

Os coletivos PIXOAÇÃO e ARDEPIXO pixaram o internacionalmente conhecido Beco Batman que abriga obras dos … Continuar lendo Entrevistamos a rapaziada que pixou o tradicional Beco do Batman