14 de novembro de 2018

Cristian Wariu, um youtuber pelo protagonismo da juventude indígena


Leia o depoimento de Christian Wariu, um indígena da etnia Xavante, com ascendência Guarani. Ele foi um dos convidados para o evento que comemorou um longo processo de formação política com jovens indígenas de diferentes etnias no Mato Grosso.


Fotos e vídeo por João Miranda
Texto: Paulo Motoryn


Meu nome é Christian Wariu, indígena Xavante com ascendência Guarani. Eu faço essa apresentação em todos os meus vídeos no canal no YouTube que eu tenho sobre indígenas. Eu estou aqui justamente por essa questão de ser um indígena no meio midiático, inclusive na internet, expondo meu pensamento indígena, minha forma de ser, minha forma de pensar como indígena.

Eu fui chamado aqui para esse processo, para essa finalização, que é o fechamento de um projeto de formação de jovens, por estar dentre esses meios e por poder falar sobre minha experiência como indígena dentro desse meio. São poucas pessoas que estão nesse campo, nessa parte, por isso estou aqui.

Para mim, foi muito interessante estar nesse evento, pois permite que a gente converse e debata sobre as questões que abordo no meu canal, que são parte da minha vida e que outros jovens indígenas também vivem.

Mesmo sendo de uma outra parte do Mato Grosso, bem distante aqui de Brasnorte, muitas coisas que a gente passa são iguais. Por isso, é uma honra estar aqui, ter essa chance de conversar diretamente com outros jovens.

O que eu percebi é que tem sim muitas pessoas que querem entrar nesse meio da comunicação, mas por diversas questões às vezes não conseguem. O meu papel foi de poder estar aqui incentivando esses jovens.

Seja por meio da mídia, seja por meio de um esporte ou por meios artísticos, o mais importante é incentivar os jovens indígenas a serem protagonistas de suas histórias, sem deixar suas raízes para trás.

Esse novo movimento de comunicação, aquela coisa rápida da notícia chegando no exato momento que acontece, aquele bombardeio de notícias e informações, é uma coisa nova até mesmo para os não-indígenas.

Estamos buscando formas de encontrar o equilíbrio, entender que a explosão que está tendo de informação pode trazer também informações falsas. É justamente por isso que temos que ser protagonistas de nossa própria informação. É muito mais legítimo uma informação sobre indígenas faladas por indígenas do que uma informação falado por não indígenas.

Nós indígenas temos consciência que, dentro da nossa própria cultura, tem coisas que não devem ser espalhadas, até porque alguns povos têm segredos e coisas que não devem ser contadas. Mas temos muitas outras coisas que podem ser contadas. Os povos indígenas, como os não-indígenas, estão ainda tentando se adaptar a essa nova forma de pensar.

Eu sempre digo que todas as pessoas têm a capacidade de se transpor em cima das dificuldades que elas têm. Às vezes, você não tem tanto jeito em uma edição de vídeo, não consegue deixar ela boa, mas você transparece um conteúdo bom, então se falta uma coisa você tenta de todas as formas e consegue.

Se você não é tão bom em conteúdo, pode ser melhor na edição. O que eu acho muito importante é o conceito, é a ideia. O conceito é a base da informação, então a minha dica seria sempre tentar ser verdadeiro nas informações que você quer passar, para não tentar transparecer outras coisas ou tentar ocultar alguma coisa. Você tem que ser verdadeiro, tem que ser legítimo.

Nós temos que chegar a lugares que ninguém nunca chegou. Hoje, ainda tem vários espaços vazios, várias coisas que nenhum indígena chegou a fazer, por isso temos que sonhar e trabalhar para isso. Eu sempre digo e acredito que tem muitos indígenas com capacidade de um dia chegar lá. É isso!

A RUA GRITA

Volta Negra: a história do negro no Centro de São Paulo

Novo ciclo de caminhadas da Volta Negra começa neste sábado e tem atividades programadas para os próximos dois meses

A RUA GRITA

Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!

Criado pela Cia. Nada Pensativo, peça Cora Primavera aborda questões como transfobia e violência contra … Continuar lendo Últimos 3 dias para ajudar: Cora Primavera vai às ruas!