08 de janeiro de 2020

Conversamos com o homem que pixou o prédio de direito da USP

Por: Iuri Salles

Fotografia: Oh My Deusu
No novo episódio da série “Pixo com X”, falamos com o pixador Bruno Locuras, sobre a intervenção na campus da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, que é a faculdade de direito da Universidade de São Paulo (USP). Bruno realizou a ação na madrugada do dia 01/01/2020, pixando a frase “Direito p/ quem?” no monumento em frente a faculdade.
Visualização da imagem
A escolha do dia faz parte de uma estratégia que o pixador vem usando há alguns anos, de escolher datas festivas para alcançar alvos que em dias normais contam com um grande fluxo de pessoas. Agora, preste atenção na ideia que trocamos com ele, pra sacar qual o objetivo desse ato Transgressor: 
 
Vaidapé: Conta pra gente o que foi esse rolê na Faculdade de Direito da USP? 
Bruno Locuras: Como de costume, era mais um fim de ano, faz uns seis anos que em datas comemorativas eu realizo alguma ação periculosa. Esse ano, eu não estava querendo fazer nada, porque faz anos que não passo as festas de Natal e Ano Novo com a minha família e no ano passado eu estava na Europa, realizando ações periculosas. Algumas ações foram publicadas pela Vaidapé. 
 
A gente tinha planejado fazer a ação para a São Silvestre, cheguei até a fazer, mas o  circuíto foi modificado. Então, fiz a Faculdade do Largo São Francisco, que é uma releitura de outro pixo que já foi realizado por outros pixadores históricos do Movimento Pixo com X, [Tchentcho.M e Krellos] em 1988.
 
E como foi o planejamento? 
A gente estudou todo o local para saber se tinha segurança, câmera, pessoas, movimento na rua, para que a gente concluísse com êxito. Quem conhece a região do Largo São Francisco sabe que tem Policiais, mas ninguém vai imaginar que vai acontecer alguma ação dessa forma no primeiro dia do ano. A única coisa que a gente teve que se preocupar foi com os moradores que habitam a localidade, já que da polícia estava “sob controle”. 
Ação visando a São Silvestre 
A frase “direito p/ quem?”, qual foi a intenção e porque justamente ali? 
Pela localidade, quem conhece meu rolê sabe que eu escolho locais conceituados. Naquela região, já passaram vários pixadores históricos para o movimento, o DI, o próprio Tchentcho.M e também por ali ser um lugar que educa pessoas que no futuro vão defender cidadãos. E o que chamou nossa atenção quando estávamos estudando o local foi a degradação, o número de pessoas morando nas ruas, mas a frase toca outros pontos, o direito da mulher, o direito a moradia, diretos dos Lgbtqia+, direito a educação. Qual o perfil de estudantes dessa escola? Além disso, a gente sabe como funciona a justiça brasileira que condena uns, as pessoas não brancas, os jovens e os que não ingressaram em universidades e privilegia uma minoria com poder e capital, é a “cadeia alimentar social”. A Constituição Federal que é sobre os direitos e deveres dos indivíduos não funciona na realidade, veja o ex-presidente Lula que foi um preso político, sem provas, para não conseguir se candidatar. A justiça não é cega e obedece o capital econômico e cultural (conhecimento) para manter os subalternos sob domínio. “Direito p/ quem?” é para que todos que passam por ali possam se questionar, ter consciência de quem são, onde estão e buscar seus direitos. O Pixo é para Transformar. 
A RUA GRITA

Os direitos humanos frente à Cracolândia

Por: Isabel Rabelo  Problemas sociais e falta de políticas públicas abrem espaço para violações em … Continuar lendo Os direitos humanos frente à Cracolândia